sexta-feira, 27 de julho de 2012

Motociclismo



Em homenagem ao dia de hoje – dia do motociclista – vou escrever um pouco sobre uma das coisas que mais gosto de fazer: andar de moto. Guiar uma moto é muito mais do que uma simples escolha de meio de transporte, é um modo de vida! É o tipo de coisa que só quem vivencia (ou já vivenciou) sabe como é. Posso escrever um artigo inteiro sobre o assunto e, mesmo assim, quem nunca andou de moto não entenderá plenamente a sensação que se tem. Mas, vou tentar do mesmo jeito.

Primeiramente, é preciso esclarecer uma questão de terminologia. Quem é apaixonado por motos e as utiliza como meio de transporte – seja apenas nos fins de semana ou cotidianamente – não é “motoqueiro”, é “motociclista”! Pode parecer frescura, mas não é. O termo motoqueiro é extremamente pejorativo e depreciativo, sendo usado já há algum tempo para designar atitudes negativas daqueles que andam de moto, como as loucuras cometidas pelos motoboys no trânsito das grandes cidades ou a atitude desordeira dos motociclistas de filmes que se metem em brigas de bares e etc. Em suma, chamar um motociclista de motoqueiro é como chamar um homossexual de “viado”.

Vários são os motivos que levam uma pessoa a optar por comprar uma moto e guiá-la. Pode ser por esporte, como uma pelada de fim de semana, ou então uma simples questão financeira (uma vez que, de forma geral, motos são muito mais baratas que carros). Ou mesmo pode ser uma questão de “inteligência”. Afinal é muito mais prático para um homem (ou uma mulher) solteiro que não carrega nada além do que possa colocar em uma mochila andar em uma moto do que um carro. Afinal de contas, uma moto tem muito mais mobilidade e agilidade no trânsito e pode ser estacionada virtualmente em qualquer lugar.

OK, uma moto também tem suas desvantagens. Primeiro, o fato de que o motociclista se vê (muito) mais exposto – e, portanto, vulnerável – aos perigos do trânsito que um motorista. Segundo, o fato de a moto não proteger quem a guia do sol, da chuva, do frio e das demais intempéries. Sim, tudo isso está certo. Entretanto, sendo bastante sincero – e correndo o risco sério de ser mal interpretado –, na minha concepção, não fazer uma coisa (seja por necessidade ou por prazer) pelo simples fato de que há riscos é, talvez, um dos maiores sinais de covardia. É como não viajar der avião pelo medo da queda ou não fazer sexo por medo de pegar uma DST. O vídeo abaixo talvez esclareça um pouco esta questão:


 Em suma, é tudo uma questão de prudência. Não é por acaso que a imensa maioria dos acidentes de trânsito fatais – incluindo aí motos E carros – tem como causa principal a imprudência dos condutores. A solução para este problema – tanto para motociclistas quanto para motoristas – é uma só: instrução. E é justamente aí que está um dos maiores problemas. Quem tira carteira de moto no Brasil sabe o quão ridículo é o “curso de formação”. Basicamente a “prova” se resume a medir sua capacidade de se equilibrar na moto e fazer curvas com a mesma.

Não vou me prolongar nos pontos negativos. Não é esse o propósito deste post. Em vez disso, me dedicarei agora a alguns dos (vários) aspectos positivos do motociclismo. Como eu disse anteriormente, só andando de moto para saber exatamente o que é, mas, se fosse para (tentar) resumir em uma palavra o que se sente ao guiar uma moto eu diria o seguinte: liberdade!

O entusiasmo pelas motos é tão antigo quanto as próprias motos. Mas, boa parte do simbolismo que tem o motociclismo no mundo todo atualmente se deve em grande parte a um fenômeno típico dos EUA no pós-guerra. Após a Segunda Guerra Mundial, os ex-combatentes que voltavam da Europa ou do Pacífico para sua terra natal se viram deslocados em meio a uma sociedade a qual não se sentiam pertencentes. Em meio a um crescente espírito de desajuste social e rebeldia, o entusiasmo pelas motos foi uma das várias facetas da chamada “contracultura”. Os motociclistas da época, cujos maiores expoentes foram sem dúvida os membros do motoclube Hells Angels, se tornaram personificações desse espírito, que, embora tenha evoluído e mudado de lá pra cá, continua sendo um dos cernes do motociclismo.

Esta busca incessante pela liberdade misturada a esse senso de rebeldia é o que diferencia o motociclista de um simples motorista. O verdadeiro motociclista é, acima de tudo, um aventureiro e um desbravador. Ele viaja não para chegar a um destino, mas pela jornada em si. Ele não precisa de uma pilha de malas para tirar férias, leva apenas aquilo que sua moto consegue carregar. Ele não se sente intimidado pela distância, pelo clima ou pelas condições da estrada; muito pelo contrário, tudo isso faz parte da emoção de se guiar. E, por fim, a moto não é simplesmente seu meio de transporte, é sua fiel companheira de viagens!

Espero que tenha conseguido transmitir ao menos um pouco do que significa ser um motociclista, mas reforço mais uma vez o aviso: é uma sensação que somente se compreende quando se vivencia. Por fim, uma pequena “dica” a todos que se deram ao trabalho de ler: se você é motociclista (independente do tipo que seja), antes de mais nada, tenha cuidado! Lembre-se que você está SEMPRE em desvantagem no trânsito e que qualquer imprudência de sua parte pode te custar (muito caro); e se você não é motociclista, seja civilizado e respeite aqueles que dividem as ruas contigo, sejam eles motociclistas, ciclistas, pedestres, etc, lembre-se que eles não dispõem de sua “armadura” de quatro rodas.

Como diria um famoso personagem do cinema: "ride hard, or stay home!"

 

domingo, 8 de julho de 2012

O UFC e os pequenos monstros dentro de cada um de nós


O quê torna esta cena cada vez mais atraente?


Dentre as diversas modalidades esportivas existentes, a que mais cresce atualmente em termos de audiência no Brasil é o chamado MMA, sigla para Mixed Martial Arts (Artes Marciais Mistas em inglês), mais especificamente o torneio intitulado UFC (Ultimate Fighting Championship). Na teoria, é uma competição na qual lutadores divididos por categorias de peso se enfrentam dentro de um ringue em forma octógono utilizando-se de diversas técnicas das mais variadas artes marciais, incluindo socos, chutes, cotoveladas, joelhadas, agarrões e luta no solo. Na prática trata-se mais de dois caras de sunguinha que passam a maior parte do tempo se agarrando quase pornograficamente em uma evolução (muito) bizarra do boxe.

Agora que você já sabe do que estou falando e qual é minha opinião a respeito, vamos sair do octógono e pular para a platéia, que consegue ser mais aloprada efusiva que as mais fanáticas torcidas organizadas de futebol. Basta observar o tamanho do público no local da luta e nos respectivos bares e afins que transmitem as mesmas. Lembro-me de estar em um bar com alguns amigos uma vez e ter testemunhado o “espetáculo” que é o público do UFC. Um simples nocaute gerou mais comoção (o bar quase veio abaixo) que qualquer comemoração de gol que eu me lembro (e estamos no Brasil!). Uma experiência dessas associada com uma observação minimamente superficial da cobertura destas lutas – vejam o estardalhaço que fizeram por conta da última luta do Anderson Silva – já te faz perceber a magnitude que o UFC alcançou em meio ao público brasileiro. E a pergunta que me faço aqui é: por quê? Como o Brasil do futebol e da seleção, o Brasil de Ayrton Senna e das corridas de F-1 virou o Brasil do UFC e das pancadarias de Anderson Silva e companhia?

A resposta é bem complexa e contém vários fatores. Um deles – talvez o mais perceptível – seja a quantidade de dinheiro injetado nos eventos e nos lutadores que deles participam (vejam quais marcas patrocinam o UFC e o Anderson Silva, por exemplo). Mas há algo de podre no reino do MMA, algo que jaz na própria lógica do evento e na própria essência do seu público...

O fato é que hoje os seres humanos do século XXI se entusiasmam com o UFC pelo mesmo motivo que a plebe da Roma Antiga lotava as arenas de gladiadores: nós, seres humanos, gostamos de violência! Sem hipocrisia e falso moralismo aqui, por favor, ninguém assiste UFC e afins por causa da qualidade técnica dos lutadores ou pela atmosfera da competição (se fosse assim o Judô e o Taekwondo seriam tão populares nas Olimpíadas quanto o futebol e o vôlei). Não importa quem sejam os lutadores, onde sejam as lutas ou como as mesmas se desenrolam, o que importa é ver sangue no chão do octógono!

Entretanto, por mais (aparentemente) desprezível que seja esse gosto por sangue do ser humano, isto nada mais é do que mais um elemento da sua natureza, assim como o gosto por comida, bebida e sexo. Sim, o ser humano – nós mesmos – somos predadores por natureza. Se não fôssemos não teríamos nos tornado a espécie dominante no planeta Terra e nosso progresso material não se basearia (em sua maior parte) na evolução de nossa capacidade de matarmos uns aos outros. Mesmo que a humanidade tenha evoluído muito dos tempos de Cristo para cá, continuamos tendo este nosso pequeno lado negro, nosso passageiro sombrio, que tem um gosto especial por ver violência, sangue e a submissão do mais fraco pelo mais forte.

Está em nossa natureza, em nossos genes. Quem trabalha com armas de fogo (ou ao menos já teve a experiência de dar uns tiros) sabe como é bom disparar um gatilho. Não é exagero dizer que, ao menos para os homens, atirar é quase tão prazeroso quanto o próprio sexo – inclusive é comum ter uma ereção quando se atira pela primeira vez. E é por isso que a vitória de Anderson Silva no último UFC foi tão acompanhada e festejada quanto a conquista da Libertadores pelo Corinthians.

Mas não para por aí. Nem a nossa natureza nem a natureza das artes marciais milenares que “deram origem” ao UFC é tão simplista. Quando Thomas Hobbes disse que “o homem é o lobo do próprio homem” ele não estava errado, mas também não estava totalmente certo. Se Hobbes retrata o lado mais negativo da natureza humana, outro famoso filósofo fez o maior contraponto possível algumas décadas mais tarde. Jean-Jacques Rousseau, em contraposição à Hobbes, defendia a tese do “bom selvagem”, ou seja, o ser humano nasce bom e o convívio em sociedade o corrompe. Cada um deles utilizou-se dos respectivos argumentos para defender suas idéias acerca de um formato específico de Estado (o “Leviatã” em Hobbes e o “Contrato Social” em Rousseau). A realidade do ser humana, a meu ver, é muito mais próxima do meio termo.

“O bem e o mal convivem dentro de você” era a chamada de uma propaganda de desodorantes há alguns anos atrás. Por mais simplória que pareça, a verdade é bem por aí. Da mesma forma que somos capazes de agir bestialmente em situações de estresse extremo – como aquele famosos caso de uma atropelamento múltiplo de bicicletas em Porto Alegre – também somos dotados de compaixão e altruísmo impressionantes. Basta observar estas pequenas noticiais ocasionais que não conseguem mais que um pequeno espaço no canto do jornal (ou da página do portal de notícias) sobre pessoas comuns que cometem atos extraordinários e se arriscam para salvar outras pessoas – como um pequeno grupo de homens que carregaram uma mulher paraplégica dezenas de andares de escadas abaixo de uma das torres do WTC no 11/09.

Chega a ser paradoxal a existência simultânea destes dois lados da personalidade humana: ao mesmo tempo em que somos capazes de nos destruirmos – e temos gosto em ver-nos matando uns aos outros – também conseguimos nos arriscar por pessoas que nem conhecemos. Agimos ao mesmo tempo em prol e contra a preservação de nossa própria espécie...

Por fim, não se recrimine por gostar de UFC. Você somente está apenas respondendo a um estímulo natural de seu corpo – da mesma forma que sentimos fome ao vermos um belo prato de comida, ficamos com sede ao vermos uma boa bebida e ficamos excitados quando vemos uma mulher (ou um homem) em uma pose sensual. E também não recrimine os praticantes de MMA. Da mesma forma que a prática das artes marciais ensina a utilizar nosso corpo para fins violentos, o verdadeiro Caminho das artes marciais nos ensina quando se utilizar de tais fins. Basta conversar com um professor (sério!) de qualquer arte marcial. As artes marciais sempre se embasam em uma série de princípios morais que afirmam explicitamente que as mesmas jamais devem ser utilizadas para fins violentos – como arrebentar outro ser humano apenas para diversão – e que devemos trabalhar sempre para conter nosso espírito de agressão – esse nosso passageiro sombrio que anseia matar qualquer coisa que respire.

Portanto, quando você estiver em um bar lotado ou na casa de um amigo única e exclusivamente para ver mais uma edição do UFC, não se engane: tanto o que é mostrado na TV quanto a reação do público são pequenas demonstrações do que há de pior no ser humano. Mas lembre-se também que, da mesma forma que o MMA é apenas uma pequena (e distorcida) fração do universo das artes marciais, nosso pequeno lado negro sedento de sangue é apenas um dos vários traços de nossa natureza complexa...

domingo, 1 de julho de 2012

Da Terra Média para Westeros: como a leitura de As Crônicas de Gelo e Fogo tem mudado minha visão de mundo


ATENÇÃO: CONTÉM SPOILERS!

Como todo nerd que se preze, tive contato com O Senhor dos Anéis durante minha adolescência. Nem preciso dizer que a magistral obra de J. R. R. Tolkien afetou profundamente o modo como via - e ainda vejo - várias coisas, não é? Entretanto, à medida que se envelhece/amadurece começamos a perceber que o mundo real é muito pouco parecido com a Terra Média e que a história sobre o Um Anel é muito mais parecida com um conto de fadas que com as histórias de nosso próprio mundo real. Eis que alguns anos após meu primeiro contato com a obra de Tolkien, conheci outra saga épica que, ao que tudo indica, pode realmente rivalizar com o mítico Senhor dos Anéis. Estou falando de As Crônicas de Gelo – mais conhecida como Game of Thrones, nome da adaptação para a TV produzida pela HBO – de George R. R. Martin. Antes que você se pergunte – porque eu sei que você já está se perguntando – este texto não é mais uma daquelas tentativas imbecis infrutíferas de dizer que um é melhor que o outro ou coisa do tipo. A questão aqui é mostrar como cada história retrata o seu respectivo mundo e como isto afeta a própria visão de mundo do leitor que se vê envolvido pela história.

A história de Tolkien se passa num mundo chamado Terra Média, habitado por homens, elfos, anões, hobbits, orcs e monstros de todo o tipo. À sua própria maneira, O Senhor dos Anéis é um conto de fadas, uma inspiradora história sobre uma grande guerra na qual há uma distinção clara entre heróis e vilões, entre o bem e o mal. É um quadro em preto e branco, onde cada figura se encaixa claramente em um dos lados. Já a saga em construção de George R. R. Martin retrata as disputas pelo poder no reino de Westeros, um mundo povoado por personagens densos e complexos e onde realidade histórica e fantasia se misturam. Aqui, além da guerra, está sempre presente a incessante disputa por poder entre diferentes partes, sem que se possa distinguir claramente os heróis dos vilões – se é que eles existem como tais. O quadro retratado por Martin é cinzento, as figuras são disformes e móveis e tudo está em variados tons de cinza.


Boromir (Senhor dos Anéis) e Eddard Stark (Game of Thrones), interpretados pelo ator inglês Sean Bean. Personagens diferentes em mundos diferentes com algo mais em comum além do ator.


Embora sejam histórias bastante diferentes, ambas têm algumas semelhanças (começando pelas iniciais do meio de seus respectivos autores). Ambas são histórias fantasiosas que refletem, em maior ou menor medida e cada uma à sua maneira, acontecimentos do mundo real. Ambas têm uma temática medieval, histórias e tramas densas e personagens marcantes, que despertam o amor ou o ódio dos leitores. Porém, as semelhanças (pelo menos as mais importantes) param aqui. E são justamente as (enormes) diferenças que chamam a atenção...

Não vou entrar em detalhes desnecessários a fim de não prolongar demasiadamente o texto, mas vale lembrar, antes de tudo, que cada uma das obras foi escrita por autores completamente diferentes e em momentos e contextos históricos totalmente distintos. Tolkien, de nacionalidade inglesa, escreveu sua obra em plena Segunda Guerra Mundial, enquanto que Martin, norte-americano, começou a escrever sua saga nos anos 1990 – e ainda não a concluiu. E isto e apenas o começo...

[SPOILER] Em O Senhor dos Anéis, a guerra dos povos livres da Terra Media contra o Senhor do Escuro Sauron termina com a vitoria dos heróis, belíssimos casamentos – do tipo daqueles que toda garota sonha em ter – e comoventes reuniões de amigos. Só faltou o “e foram felizes para sempre”. Em As Crônicas de Gelo e Fogo – ou pelo menos ate onde eu li – uma sucessão de rebeliões e crises de sucessão ao trono de Westeros coloca algumas das principais casas (famílias) nobres do reino umas contra as outras. Aqui, nem todos os heróis são vitoriosos – muito pelo contrario, alguns dos personagens mais admiráveis em termos de caráter são justamente os que se dão pior – astúcia e falta de escrúpulos sobrepujam a honra e a justiça e as traições são freqüentes e, na maioria dos casos, impunes. Qualquer semelhança com o mundo real é “mera coincidência”.

Para bom entendedor, meia palavra basta. Portanto se você é razoavelmente sagaz já percebeu onde quero chegar, certo? Pois bem, é isso mesmo...

Diferentemente da Guerra do Anel – que lembra muito a Segunda Guerra Mundial e um pouco a Guerra Fria – retratada por Tolkien, as guerras do mundo de Martin se parecem mais com as eleições do Brasil – sim, a canalhice lá corre solta! Começa que, diferentemente de O Senhor dos Anéis, As Crônicas de Gelo e Fogo são contadas por personagens que se encontram em ambos – ou melhor, em TODOS – os lados da historia (a situação é tão complexa que é difícil estabelecer apenas dois lados), e a situação dos mesmos nem sempre é a mesma. Alguns personagens que começam como vilões odiosos se tornam menos “maus” depois de um tempo e passam a se mostrar mais como “pessoas comuns”. Outros personagens claramente retratados como heróis são corrompidos – ou ao menos mudados – pelo poder imbuído nos cargos que assumem. Casais se separam, famílias são destruídas, crianças inocentes passam a matar para sobreviver. Enfim, todo tipo de desgraça que não acontece na Terra Media acontece em Westeros. E é justamente aí que jaz a maior qualidade da saga de Martin, pois por mais fantasiosa que seja sua historia, seu mundo e os personagens que o povoam são bastante reais (às vezes até demais). E é justamente aqui que quero chegar...

Quando somos jovens sonhamos em viver na Terra Media e acreditamos que nossas vidas serão como a dos personagens de O Senhor dos Anéis. Ou seja, mesmo que lutemos em grandes guerras e enfrentemos enormes desafios e inimigos terríveis, ao final de tudo casaremos com o amor de nossas vidas, voltaremos para nossas casas, festejaremos com nossos amigos e seremos felizes para sempre. As Crônicas de Gelo e Fogo representam, nesse sentindo, o choque de realidade perfeito, mostrando que coisas ruins acontecem às pessoas de bem sim – muito mais do que gostaríamos. Não basta sermos boas pessoas, termos uma atitude correta e sermos fiéis aos nossos amigos, pois o mundo real – assim como Westeros – está cheio de leões, lobos, lulas gigantes, dragões e coisas piores. [SPOILER] Enquanto em O Senhor dos Anéis Aragorn enfrenta abertamente o terrível Sauron e consegue não somente reclamar o trono de Gondor como também casar com seu grande amor, em As Crônicas de Gelo e Fogo, o honorável Eddard Stark – cuja honra e retidão são comparáveis ao mais exemplar dos samurais – mantém-se fiel aos seus amigos, sua família e seus princípios, apenas para ser traído por alguém em quem confiou, ser acusado (falsamente) de traição e ser decapitado – pela própria espada ainda por cima! – por um crime que não cometeu. Nada sintetiza mais a dura realidade (real) de Westeros que a icônica frase de Cersei Lannister – uma das personagens mais odiáveis da saga – “no jogo dos tronos ou se ganha ou se morre, não há meio termo.”

Por fim, antes que eu seja taxado de sujeito amargurado e de pobre diabo, permita-me delinear uma breve conclusão (parcial). Embora admire o realismo nu e cru de Martin isto não quer dizer que eu tenha jogado fora minha cópia de O Senhor dos Anéis e que tenha passado a achá-lo um lixo infantil. Muito pelo contrário, meu gosto pelo mesmo se mantém inabalado. O que quero dizer é que os rumos da história desenhada por Martin – pelo menos até aqui – nos mostram que, independentemente da qualidade de nosso caráter e de nossos princípios morais, se não soubermos jogar o jogo dos tronos – ou o jogo da vida – podemos acabar tendo um fim totalmente diferente dos personagens de Tolkien. Enfim, sejam honestos e corretos como Aragorn e Eddard Stark, mas tomem cuidado, pois nem todos que nos rodeiam são como Gandalf.

terça-feira, 27 de março de 2012

O homem e o muro: a história de um disco e de um show




Em 1979 foi lançado o álbum The Wall, um dos maiores e mais famosos álbuns não só do Pink Floyd, mas também da história do Rock N' Roll e da própria música. À época, a obra, grandiosa e profunda como uma ópera, imensamente inspirada pela genialidade e pela própria história de vida de Roger Waters (baixista, vocalista e letrista do Pink Floyd) soava como um misto de grito de protesto e de catarse dos traumas de seu compositor. Mais de trinta anos se passaram, milhões de cópias de The Wall (e de outros discos do Pink Floyd) foram vendidas, o álbum virou filme, Roger Waters saiu da banda (que acabou tendo seu fim anos mais tarde), o muro de Berlim caiu e o mundo mudou. Mas muitas coisas continuaram as mesmas...

Roger Waters, Pink Floyd, The Wall... tudo isto tem um grande significado para mim, pois foi aí que começou minha paixão pelo Rock há muitos anos atrás quando ainda se comprava CDs para ouvir música e o download era uma novidade. O Pink Floyd foi a primeira banda que eu realmente escutei e amei e The Wall foi um dos primeiros discos que eu idolatrei. Sendo assim, minha breve jornada à distante Porto Alegre no último domingo somente para assistir ao show The Wall Live foi uma espécie de odisséia pessoal e, logo após a saída do estádio Beira Rio, a sensação era algo muito próximo à de se encontrar com a mulher dos seus sonhos...

Não vou descrever aqui todos os pormenores do grandioso espetáculo. Deixo isso aos veículos de comunicação (afinal de contas, isso é o trabalho deles!). Em vez disso, tentarei retratar o impacto que o show teve para mim. Em primeiro lugar, não se trata apenas de um show de Rock, The Wall não é chamado de ópera-rock à toa. A combinação de música, letras, além da própria mensagem por trás da obra têm o mesmo peso dos maiores filmes já produzidos. Perto do que se fez com esta última representação do álbum, mesmo o filme (produzido por Alan Parker nos anos 80) é pouco. É como escutar o seu álbum favorito, só que ao vivo, em um estádio de futebol quase lotado, com representações visuais mais ricas que a maior exposição de arte que eu já tenha visto e som quadrifônico! Enfim, é extremamente difícil descrever tudo isso, só vendo pra saber...


 Roger Waters traz a turnê de "The Wall" para Brasil nesse domingo (notícia no site daKiss FM): http://www.kissfm.com.br/portal/noticias/roger-waters-traz-a-turne-de-the-wall-para-brasil-nesse-domingo

Além da dimensão artística do show, me impressionou profundamente a fidelidade do mesmo com o álbum de 79. Está tudo lá: o professor FDP de The Happiest Days of Our Lives e Another Brick In The Wall, a mãe opressora de Mother, o trauma da perda do pai morto na guerra, a luxúria de Young Lust, a solidão isolada de Hey You, a megalomania fascista de In The Flesh? e tudo mais. Algumas partes são simplesmente icônicas, começando pelo próprio palco: um enorme muro que se completa ao longo do show e é derrubado ao final, a caricatura do supracitado professor FDP, o espírito contestatório e rebelde que se materializa na forma de fotos de mortos de guerra (civis e militares), frases de impacto - a melhor delas na minha opinião proferida durante a música Mother, quando após o trecho "mother should I trust the government?" aparece a resposta curta e grossa em forma de pichação: NEM FUDENDO (em português!) - e citações de personalidades proeminentes.

Visão geral do palco


O icônico professor de Another Brick In The Wall

Aliás, é aí que está o grande trunfo desta última turnê de The Wall. O próprio nome do álbum é uma meia alusão ao famigerado Muro de Berlim, e muitas das coisas "ditas" por Waters nas músicas se referem à fotos da época e ao clima da Guerra Fria. Entretanto, o show de domingo foi tudo menos um retrato histórico deste período. Muito pelo contrário, Waters mostrou o quanto sua mensagem continua atual. Todos os elementos caracterizados nas músicas (a grandiosidade e o peso opressor das ideologias, a terrível aberração da guerra, a complexa dramaticidade da vida cotidiana) estão lá, retratados da forma mais atual possível. 

O Muro de Berlim pode ter caído, mas vários outros muros estão aí, separando famílias, isolando povos e oprimindo seres humanos em todo o mundo. Alguns são feitos de argamassa e tijolos, outros, entretanto, adquirem outras formas, difíceis de se ver. Alguns são praticamente imperceptíveis e outros são tão íntimos e particulares quanto a personalidade de cada um. Alguns destes muros são, às vezes, construídos por nós mesmos. E a mensagem de Roger Waters, ainda que repleta de misteriosas e psicodélicas simbologias características do Pink Floyd e do Rock dos anos 1970, é bem clara: derrubem o muro!

quinta-feira, 15 de março de 2012

Começando bem o dia...

O despertador toca às seis horas da manhã, estridente e agudo como um alarme de incêndio. O Sol de quase meio dia invade o seu quarto como uma luz de interrogatório. Você levanta cedo ainda meio dormindo para começar mais um dia de labuta. Sua cabeça dói e o seu corpo parece quebrado como se a bebedeira da noite anterior viesse acompanhada de uma surra. E lá vai você encarar o ônibus lotado ou o trânsito infernal para ir pra a aula ou pro trabalho. Eis então que você levanta, quase aos tropeços, se perguntando "alguém anotou a placa?".

Seja no cotidiano ordeiro da semana ou em meio à libertina ressaca dos fins de semana, acordar é, sem dúvida alguma uma tarefa penosa para o ser humano moderno (e se você acorda bem como um desenho animado e nunca desejou não ter de acordar pode parar de ler aqui mesmo, esse post não é pra você!). Não é à tôa que usamos diversas artimanhas para acordar de fato (ou permanecermos acordados ao longo do dia), como café, chimarrão, energéticos, etc. Ainda assim, poucas coisas energizam tanto uma pessoa como a música certa na hora certa. Portanto, aumente o volume e confira alguns sons que vão literalmente te ligar na tomada!*


Rock N' Roll Train - AC/DC (Black Ice)




Burner - Motörhead (Bastards)




Creeping Death - Metallica (Ride The Lighting)



Running Free - Iron Maiden (Iron Maiden)



Rock N'Roll - Led Zeppelin (Led Zeppelin IV)


*Os nomes entre parênteses são os álbuns aos quais as músicas pertencem. Recomendo comprá-los, baixá-los ou copiá-los caso queria ouvir mais do que está aí.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Previsões de José Simão para as Olimpíadas do Rio de 2016

Piada com tom "levemente" crítico que recebi por e-mail de uma amiga...

   ORÁCULO DO JOSÉ SIMÃO !!! ALGUÉM DUVIDA???
 
              
 
GENIAL!!!
 
ALGUÉM DUVIDA???
 
 
Esse cara é considerado o jornalista mais louco da imprensa brasileira, mas o que ele escreveu sobre as Olimpíadas a serem realizadas aqui em Tupiniquim é incontestável e, lamentavelmente, divertido.
Com vocês, o 'ORÁCULO' JOSÉ SIMÃO!!!!
Previsões de PaiJOSÉ SIMÃO para as Olimpíadas no Rio - 2016
 
 
1. De 2011 a 2015
 
1. ONGs vão pipocar dizendo que apóiam o esporte, tiram crianças das ruas e as afastam das drogas. Após as olimpíadas estas ONGs desaparecerão e serão investigadas por desvio de dinheiro público. Ninguém será preso ou indiciado.
2. Um grupo de funk vai fazer sucesso com uma música que diz: vou pegar na tua tocha pra você pôr na minha pira.

3. Uma escola de samba vai homenagear os jogos, rimando “Barão de Coubertin” com “sol da manhã”. Gilberto Gil virá no último carro alegórico vestido de lamê dourado representando o “espírito olímpico do carioca visitando a corte do Olimpo num dia de sol ao raiar do fogo da vitoria ”.


4. Haverá um concurso para nomear a mascote dos jogos que será um desenho misturando um índio, o sol do Rio, o Pão de Açúcar e o carnaval, criado por Hans Donner. Os finalistas terão nomes como : “Zé do Olimpo”, “ Chico Tochinha” e “Kaíque Maratoninha”.


5. Luciano Huck vai eleger a Musa dos jogos, concurso que durará um ano e elegerá uma modelo chamada Kathy Mileine Suellen da Silva.


2.Abertura dos jogos

1. A tocha olímpica será roubada ao passar pela baixada fluminense. O COB vai encomendar outra com urgência para um carnavalesco da Beija-flor.


2. Zeca Pagodinho, Dudu Nobre e a bateria da Mangueira farão um show na praia de Copacabana para comemorar a chegada do fogo olímpico ao Rio. Por motivo de segurança, Zeca Pagodinho será impedido de ficar a menos de 500 metros da tocha.


3. Durante o percurso da tocha, os brasileiros vão invadir a rua e correr ao lado dela carregando cartolinas cor de rosa onde se lê GALVÃO FILMA NÓIS, 100% FAVELA DO RATO MOLHADO.


4. Pelé vai errar o nome do presidente do COI, discursar em um inglês de  merda  elogiando o povo carioca e, ao final, vai tropeçar no carpete que foi colado 15 minutos antes do início da cerimônia.

5. Claudia Leite e Ivete Sangalo vão cantar o “Hino das Olimpíadas” composto por Latino e MC Medalha. As duas vão duelar durante a música para aparecer mais na TV.


6. O Hino Nacional Brasileiro será entoado a capella por uma arrependida Vanuza, que jura que "não bota uma gota de álcool na boca desde a última copa". A platéia vai errar a letra, em homenagem a ela, chorar como se entendesse o que está cantando, e aplaudir no final como se fosse um gol.


7. Uma brasileira vai ser filmada várias vezes com um top amarelo, um shortinho verde e a bandeira dos jogos pintada na cara. Ela posará para a Playboy sem o top e sem o shortinho e com a bandeira pintada na bunda.


8. Por falta de gás na última hora, já que a cerimônia só foi ensaiada durante a madrugada, a pira não vai funcionar. Zeca Pagodinho será o substituto temporário já que a Brahma é um dos patrocinadores. Em entrevista ao Fantástico ele dirá que não se lembra direito do fato.


9. Setenta e quatro passistas de fio-dental vão iniciar a cerimônia mostrando o legado cultural do Rio ao mundo: a bala perdida, o trafico, o funk, o seqüestro relâmpago e a favela.


10. Durante os jogos de tênis a platéia brasileira vai vaiar os jogadores argentinos obrigando o árbitro a pedir silencio 774 vezes. Como ele pedirá em inglês ninguém vai entender e vão continuar vaiando. Galvão Bueno vai dizer que vaiar é bom, mas vaiar os argentinos é melhor ainda. Oscar concordará e depois pedirá desculpas chorando no programa do Gugu.
 
11. Um simpático cachorro vira-lata furará o esquema de segurança invadindo o desfile da delegação jamaicana. Será carregado por um dos atletas e permanecerá no gramado do Maracanã durante toda a cerimônia. Será motivo de 200 reportagens, apelidado de Marley, e será adotado por uma modelo emergente que ficará com dó do pobre animalzinho e dirá que ele é gente como a gente.

12. Adriane Galisteu posará para a capa de CARAS ao lado do grande amor da sua vida, um executivo do COB.


13. Os pombos soltos durante a cerimônia serão alvejados por tiros disparados por uma favela próxima e vendidos assados na saída do Maracanã por “dois real”.
 
. Durante os jogos
 
1. Caetano Veloso dará entrevista dizendo que o Rio é lindo, a cerimônia de abertura foi linda e que aquele negão da camiseta 74 da seleção americana de basquete é mais lindo ainda.

2. Uma modelo-manequim-piranha-atriz-exBBB vai engravidar de um jogador de hóquei americano. Sua mãe vai dar entrevista na Luciana Gimenez dizendo que sua filha era virgem até ontem, apesar de ter namorado 74 homens nos últimos seis meses, e que o atleta americano a seduziu com falsas promessas de vida boa nos EUA. Após o nascimento do bebê ela posará nua e terá um programa de fofocas numa rede de TV.
 
3. No primeiro dia os EUA, a China e o Canadá já somarão 74 medalhas de ouro, 82 de prata e 4 de bronze. Os jornalistas brasileiros vão dizer a cada segundo que o Brasil é esperança de medalha em 200 modalidades e certeza de medalha em outras 64.

4. Faltando 3 dias para o fim dos jogos, o Brasil terá 3 medalhas de bronze e 1 de ouro, esta ganha por atletas desconhecidos no esporte “caiaque em dupla”. Eles vão ser idolatrados por 15 minutos (somando todas as emissoras abertas e a cabo) como exemplos de força e determinação. A Hebe vai dizer que eles são “uma gracinha” ao posarem mordendo a medalha, e nunca mais se ouvirá deles.


5. A seleção brasileira de futebol comandada por Ronaldinho vai chegar como favorita. Passará fácil pela primeira fase e entrará de salto alto na fase final, perdendo para a seleção de Sumatra .

6. A seleção americana de vôlei visitará uma escola patrocinada pelo Criança Esperança. Três meninos vão ganhar uma bola e um uniforme completo dos jogadores, sendo roubados e deixados pelados no dia seguinte.


7. Os traficantes da Rocinha vão roubar aquele pó branco que os ginastas passam na mão. Um atleta cubano será encontrado morto numa boate do Baixo Leblon depois de cheirá-lo. O COB, a fim de não atrasar as competições de ginástica, vai substituir o tal pó pelo cimento estocado nos fundos do ginásio inacabado.


8. Um atleta brasileiro nunca visto antes terminará em 57º lugar na sua modalidade e roubará a cena ao levantar a camiseta mostrando outra frase onde se lê: JARDIM MATILDE NA VEIA.


9. Vários atletas brasileiros apontados como promessa de medalha serão eliminados logo no início da competição. Suas provas serão reprisadas em 'slow motion' e 400 horas de programas de debate esportivo vão analisar os motivos das suas falhas.


4. Após os jogos

1. Um boxeador brasileiro negro de 1,85m estrelará um filme pornô para pagar as despesas que teve para estar nos jogos e por não obter patrocínio.


2. Faustão entrevistará os atletas brasileiros que não ganharam medalhas. Não os deixará pronunciar uma palavra sequer, mas dirá que esses caras são exemplos no profissional tanto quanto no pessoal, amigos dos amigos, e outras besteiras.

3. No início do ano seguinte, vários bebês de olhos azuis virão ao mundo e as filas para embarque nos vôos para a Itália, Portugal e Alemanha serão intermináveis, com mães "ofendidas", segurando seus rebentos...

Motos, mulheres e Rock N' Roll

Seguinte, tô de férias, não tô muito a fim de ficar dissertando sobre qualquer assunto (sério ou não) aqui, então posto aqui alguns (bons) clipes de música com grandes motos, belas mulheres e, é claro, o bom e velho Rock N' Roll! Divirtam-se:





segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

BBB: Big Bosta Brasil

Não gosto muito de TV. Ainda mais hoje em dia, em que a TV (principalmente a aberta) parece mais uma privada (pela quantidade de merda porcaria que nela tem). Há exceções, é claro, mas para cada programa minimamente bom que exista, há pelo menos uma dúzia de outros que são puro lixo! O maior exemplo de todos é o maldito BBB. Esta grande porcaria, que existe desde antes de eu ter pelos no rosto, não produz absolutamente NADA de construtivo para aqueles que o assistem, sendo seus maiores resultados modelos para revistas masculinas e futuras ex-celebridades fracassadas que vão fazer o máximo que puderem para prolongar seus 15 minutos de fama. Aliás, só para constar, fico extremamente puto revoltado pelo fato de "ex-BBB" já ter virado profissão pela taxonomia do Ministério do Trabalho enquanto eu, que passei quatro longos anos estudando para me formar em Relações Internacionais, não tenho profissão definida pelo mesmo, podendo, quando muito, entrar para a categoria de "funcionário público" caso passe em um concurso. Esse deve ser o Brasil que cresce mesmo, né?

OK, protesto/desabafo feito, vamos seguir em frente...

A meu ver este programa já está errado desde o início pela sua definição. Uma merda porcaria que se denomina reality show deveria mostrar alguma coisa da realidade. Mas que diabo de realidade é essa na qual os participantes do programa nada fazem além de encherem a bunda cara de bebida, participar de verdadeiros bacanais promovidos pela organização, passar por provas estúpidas pra desfrutar de privilégios imbecis e, é claro, fazer aquilo que pessoas fúteis sabem fazer melhor, falar da vida alheia pelas costas um do outro. Tudo isso pra que um bando de palhaços sem cérebro possam entreter uma audiência alienada com bebedeiras e sexo explícito. E esses desgraçados ainda são chamados de "heróis" pelo retardado do apresentador. HERÓIS!!! 

 Pedro Bial, vê se aprende, seu idiota!

Aproveitando que toquei no assunto do sexo explícito, me impressiona o tamanho da polêmica que se criou em cima de um ocorrido numa das festas do programa. Um zé ruela qualquer ajudou uma mulher com consideráveis atributos físicos (e provavelmente nenhum mental) a se embebedar com o único propósito de levá-la para cama, e conseguiu. Por causa disso todos estão chamando o babaca de "estuprador" e já ouvi falar até de campanha no Twitter para que o mesmo saia da casa. Não vou entrar no mérito da questão, mas quem quiser fazê-lo recomendo ler o seguinte texto:

Sobre essa questão em específico, tenho apenas duas coisas a dizer. Primeiro, essa tática de deixar a guria bêbada para ela "se soltar" é mais velha que andar a pé e qualquer gurizote de 13 anos aprende isso quando começa a buscar bebida e sexo. E ocorridos como o mencionado acontecem o tempo todo, todo santo dia, aos montes, e em qualquer lugar. E, mesmo assim, nunca vi ninguém se mobilizando para que os babacas (porque o cara que precisa embebedar uma guria pra fazer sexo com ela é um babaca!) que fazem isso por aí sejam punidos ou coisa assim. "Hipócrita, aposto que só conseguem pegar mulher bêbada" devem estar pensando agora os imbecis que não estão gostando do que estão lendo (porque sim, se você perde seu precioso tempo assistindo BBB eu te considero um imbecil!). Não que eu dê satisfação da minha vida pessoal pra alguém, mas não, seu imbecil, eu não me valho (nem nunca me vali) de tais artimanhas para "me dar bem" (e se você, palhaço, continua duvidando, eu te desafio a encontrar alguma mulher que afirme ter sido minha "vítima") . Em segundo lugar, se formos exigir punição para tais tipos de "criminosos", mesmo que seus atos não sejam considerados crimes pela lei mas nós os consideremos como tais, então exijo que todos os homens ricos cujas esposas se casaram por dinheiro sejam presos por prostituição, pois, ao meu ver, uma mulher que se casa com um homem por dinheiro não passa de uma prostituta, pouco diferente de uma profissional do sexo que faz ponto nas ruas de qualquer cidade. É ou não é?!?
Pra encerrar, quero só deixar uma coisa bem claro. Se este lixo cultural chamado BBB está há 12 malditos anos fazendo sucesso e propagando maus exemplos na TV brasileira, o maior culpado disso tudo é ninguém mais ninguém menos que você. Isso mesmo! VOCÊ, o mesmo IMBECIL de pouco antes, que pára tudo o que está fazendo toda santa noite pra dar audiência pra essa palhaçada! E se você ainda assiste a continuação no Multishow e/ou gasta seu dinheiro com assinatura de Pay Per View 24 horas então você, além de um imbecil, é um baita de um RETARDADO MENTAL! Provavelmente é o mesmo tipinho de gente que vive reclamando dos políticos corruptos e dos altos impostos, mas nunca deixa de aproveitar uma boa oportunidade de "se dar bem", mesmo que pra isso você tenha de tirar vantagem dos outros. Afinal de contas, qual é o problema em forçar um pouquinho a barra pra que a gata que você pegou na balada dê pra você se ela está um pouco bêbada?

Se alguém porventura considerou o caráter deste post demasiadamente agressivo e/ou ofensivo não vou me desculpar, até porque acho que algumas coisas devem ser ditas de forma clara, nua e crua (como a tal "realidade" que as câmaras do BBB mostram). E se você que assiste BBB se sentiu ofendido, PROBLEMA SEU! Fique à vontade pra sair do blog e continuar consumindo merda lixo em forma de TV barata...

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Bizarrices de Brasília: o verão

BIZARRICES DE BRASÍLIA: Esta é uma nova série de posts deste blog dedicada às maiores peculiaridades (ou melhor, esquisitices) da Capital Federal.
_______________________________________________

Ah, o verão! Aquela época maravilhosa quando todos vão para a praia, sob o maior Sol, pegar aquela cor, apreciar a paisagem (leia-se, lindas mulheres de biquini) tomando uma bela cerveja estupidamente gelada sem absolutamente qualquer preocupação...
Só se for nos seus sonhos, meu caro!

Aqui em Brasília, onde a praia mais próxima está a mais de 1.000km de distância e você só passa o verão lá se começar a juntar dinheiro desde março, isso tudo é apenas sonho. Quem não conhece ou nunca esteve aqui nessa época do ano não sabe que durante o verão chove dia sim e outro também, sendo que a chuva começa e pára pelo menos cinco vezes ao longo do dia. A temperatura máxima de um dia desses gira em torno de 25 graus e a mínima é de aproximadamente 19. Nos (raros) dias de Sol o calor passa dos 30 e geralmente estas (breves) tréguas de chuva precedem os piores pés-d'água que se possa imaginar. Imagino que para quem é de fora (e que acha que Brasília só vive de seca) isso deve soar tão bizarro quanto dizer que nessa mesma época do ano faz 45 graus em Porto Alegre.

Ainda mais bizarro que esta configuração climática são os hábitos dos brasilienses. Se eu tirasse uma foto de qualquer shopping ou lugar de grande aglomeração de pessoas hoje e mostrasse para alguém essa pessoa provavelmente diria que se trata de alguma cidade do Sul em pleno inverno (por causa das pessoas considerávelmente encasacadas e do céu cinzento). Pois é, Brasília deve ser o único lugar do mundo (além do Himalaia) onde as pessoas usam roupas de inverno em pleno verão. E olha que a temperatura mal fica abaixo dos 20 ein...

Eu particularmente prefiro mil vezes um inverno ensolarado a um verão chuvoso, o que já me faz odiar não gostar muito dessa época do ano em Brasília. Junte a isso o fato de que boa parte da população da cidade (incluindo seus amigos e as poucas gurias gatas que há por aqui) simplesmente migra daqui nessa época (semelhantemente aos pássaros fugindo do inverno) e pensa no tédio que é isso aqui entre dezembro e março. Pior mesmo só o carnaval. E, pra fechar com chave de ouro, se você acha que o problema é só a (falta de) diversão disponível, é porque não sabe o quão divertido é pegar um ônibus de merda debaixo de chuva nas paradas da cidade ou dirigir nas ruas daqui, onde os buracos aparecem como espinhas na cara de um adolescente na época da chuva.

Pra encerrar este post, deixo aqui o retrato musical desta situação feito por um dos maiores poetas que fizeram sua história aqui: