sábado, 21 de março de 2009

Noam Chomsky diz...

Trechos da entrevista de Noam Chomsky à revista Istoé, em sua edição de 4 de março de 2009:

"Istoé: Os Estados Unidos são uma democracia fracassada?
Chomsky: Se você comparar as eleições de 2008 com as de um dos países mais pobres do hemisfério, a Bolívia, o processo é radicalmente diferente. Você pode gostar ao não das políticas do presidente Evo Morales, mas elas vêm da população. Ele foi escolhido por um eleitorado popular que traçou suas próprias políticas. As questões são muito significativas: controle dos recursos naturais, direitos culturais... A população não se envolveu apenas no dia das eleições, essas lutas estão ocorrendo há anos. Isso é uma democracia. Os Estados Unidos são exatamente o oposto. "

"Istoé: Alguns presidentes sul-americanos são chamados de populistas.
Chomsky: Populista quer dizer alguém atento à opinião popular."

"Istoé: O sr. avalia o governo Chávez positivamente?
Chomsky: A pergunta que importa é: o que os venezuelanos pensam do governo?"

"Istoé: E qual o papel do Brasil?
Chomsky: O Brasil tem um papel central na integração regional, pois é o país mais rico e poderoso da região. O presidente Lula tem tomado uma posição muito boa, garantindo que países que os EUA tentam arruinar, principalmente a Bolívia e a Venenzuela, estejam integrados aos sistema. O Brasil também está aumentando as relações com outros países do Sul. Mas a dependência das exportações agrícolas é uma forma questionável de desenvolvimento. Deveria haver tentativas de desenvolvimento que não dependenssem tanto de exportações, como a da soja.

Istoé: Como o sr. vê o ressurgimento de medidas protecionistas nos Estados Unidos e na União Européia?
Chomsky: Antes de falar sobre isso, temos que eliminar uma grande quantidade de mitologia. Os Estados Unidos, o país mais rico do mundo, sempre foram altamente protecionistas. Sua economia avnaçada depende crucialmente do setor estatal. Se você pensa em computadores, internet, tecnologia de informação, laser, tudo isso foi financiado pelo Estado. Você não pode falar em livre mercado porque eles não acreditam nisso.

Istoé: o capitalismo está entrando em colapso?
Chomsky: O único lugar onde o capitalismo existe é nos países do Terceiro Mundo, onde ele é imposto à força."

"Istoé: Vê algo de positivo no papel dos Estados Unidos atualmente?
Chomsky: Sim. Mas não se deve esperar que os países mais poderosos sejam agentes da moralidade. Não faz sentido ficar elogiando esses países pelas coisas decentes que fazem. Os Estados Unidos deveriam, por exemplo, ter um papel fundamental na reconstrução de Gaza depois das terríveis agressões feitas junto com Israel - foi uma ataque conjunto, pois eles estavam usando armas dos EUA, é claro. A estrangulação de Gaza pelos Estados Unidos eIsrael, apoiada pela União Européia, começou imediatamente após as eleições, que foram reconhecidas como livres e justas, mas os Estados Unidos não gostaram do resultado e punem as pessoas. É uma boa indicação da aversão extrema que as elites ocidentais nutrem pela democracia."

"Istoé: O sr. dedicou a vida a pensar as questões mais importantes do mundo. Como se sente hoje?
Chomsky: Há passos em direção a um mundo mais livre, justo e democrático. Isto não cai do céu como um presente, vem da luta popular engajada."

Noam Chomsky, 80 anos, é professor do Instituto de Tecnologia de Massaschusetts (MIT) há mais de 50 anos. Autor de mais de 70 livros e mil artigos, foi considerado o principal acadêmico do planeta pelas revistas Foreign Policy e Prospect e é tido como o intelectual mais importante do mundo pelo jornal The New York Times.

2 comentários:

Tamirez Paim disse...

ESSE HUGO CHÁVEZ NÃO BATE BEM DAS IDÉIAS.

Luiz Gustavo disse...

Concordo contigo Tamirez, mas também sou obrigado a concordar com o Chomsky sobre o que ele falou a respeito da Bolívia e da Venezuela...
Obrigado pelo comentário Tamirez!
Beijo